sábado, 23 de julho de 2011

Pra te contar


"Mas talvez, você não entenda essa coisa de fazer o 
mundo acreditar que o meu amor não será passageiro,
te amarei de janeiro a janeiro, até o mundo acabar."
(De Janeiro a Janeiro - Roberta Campos e Nando Reis)

"Você sempre achou graça das minhas manias bobas. Achava graça dos meus posteres colados nas paredes do meu quarto, da minha risada tímida, do meu medo de baratas voadoras, da ausência de vestidos no meu guarda-roupa e do meu medo de me prender, de ser permanente. Muita coisa mudou desde o dia em que eu fui embora e é uma pena que você não saiba disso. Você não sabe que eu troquei os posteres do meu quarto por fotografias, nem que a minha risada agora é alta e que eu já matei muitas baratas voadoras. Você também não sabe que hoje, o meu guarda-roupa é lotado de vestidos de renda, de babados e afins. Cortei o cabelo e comecei a escrever, acho que isso você sabe graças as redes sociais. Meu abraço ficou mais apertado, minhas mãos mais bobas e meus sorrisos mais sinceros. Meu amor ficou mais faminto e minha sede de vida só se fez crescer. Ainda sou muito boa de garfo, péssima para piadas e ainda tenho aquele colar de coração. Mas pelo visto eu não fui a única que mudou. Você também. Suas piadas ficaram sem graça, suas ofensas mais dolorosas e você tornou-se indiferente. Cortou o cabelo, colocou um brinco e substitui a schweppes pela cerveja. Jogou fora seus cadernos de poesias e desenhos, e junto as nossas fotos. Sabe, você iria adorar os meus vestidos, hoje em dia. Mas a gente mudou tanto né? Meu sorvete preferido não é mais o de flocos, meu perfume não é mais doce e meu sorriso não é mais de graça. É uma pena que você não saiba que agora eu tenho uma caixinha lotada de fones de ouvido, porque eu quebro um por semana. É uma pena que a gente não se conheça mais, depois de tanto tempo. É uma pena que você ainda não entenda essa minha necessidade de mundo, de gente, de coisas novas. Eu sempre quis tanto dessa vida, eu sempre quis muito tantas coisas, eu sempre quis o mundo inteiro. Mas disso você sabe bem, porque você ainda vê esse brilho nos meus olhos. Você ainda vê o quanto eu gosto desse vento batendo no meu rosto me mostrando que eu sou livre pra sonhar e, acima de tudo, realizar. Você vê, não vê? Eu tenho tantos sonhos para realizar que eu não posso simplesmente sentar aqui na beiradinha dessa estrada esperando você voltar. Eu sei que foi essa minha dificuldade em ser permanente que me fez te perder, mas eu sou assim e isso nunca mudou e acho que nunca vai mudar. Eu sempre tive um certo medo de amar e ser amada. O amor é lindo, na nossa cabeça. Mas quando ele acontece, é um pouco assustador e um tanto avassalador. Não há controle nenhum sobre esse sentimento e isso me assusta. É uma pena todo esse tempo que a gente perdeu longe e todos os vestidos que eu uso e você não vê. É uma pena saber que a gente pode se ver qualquer dia desses e não se reconhecer. É claro que vai haver fogo por dentro, queimando em brasa os nossos corações, em nome das memórias guardadas. Mas ainda assim, não serão mais aquela garota do sorriso tímido e aquele garoto metido a poeta, frente a frente. Agora a metida a poeta sou eu. Agora nós somos meros estranhos com rostos familiares. Talvez a gente nunca mais dê certo, porque algumas coisas realmente mudam e mudam muito, e a brasa que ainda resta acesa pode ser pela esperança de que aquele menino que conheci, ainda exista. E talvez ele não exista. Mas se esse novo cara quiser conhecer uma nova eu, aqui estou. Com novos sonhos, novos medos e novas manias esperando alguém que aceite-as. Alguém que me ensine a ser mais paciente e mais permanente. Alguém que sacie um pouco essa minha sede de vida e a acompanhe. Se quiser me conhecer, de novo, pode vir. Vem sem medo, porque foi por todos os nossos medos que a gente deixou de ser. Eu não garanto que você se apaixone por quem eu me tornei, mas se agora você não tem mais medo de correr riscos, vem. Vem e traz um fone de ouvido pra minha coleção. Vem e me chama pra tomar qualquer sorvete, que não seja mais de flocos. Acredite, vai ser um prazer conhecê-lo - de novo. Vai ser recíproco, pode vir.

Com amor, da nova eu."

Por Marie Raya.

16 comentários:

  1. Eu ainda me surpreendo com as suas palavras... incrivelmente perfeito!
    sem mais.

    ResponderExcluir
  2. Lá vem você novamente,me deixando sem palavras. E te pergunto: como você faz isso? Porque quem se prejudica afinal é você mesma, que não tem condições de receber um comentário decente.
    Estamos mudando o tempo todo, todo dia.
    E quando percebemos, parecemos ser outra pessoa. Mas chamo isso de amadurecimento.
    As vezes brinco que ainda bem que mudei, e pergunto as pessoas como elas me aguentavam a 3, 4 anos atrás! rs
    O bom é que mudamos pra melhor, talvez agimos mais com a cabeça, a razão embora muitas vezes é melhor seguir o coração.
    E eu nem sei o que comentar aqui porque o seu texto esta simplesmente maravilhoso Marie!

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Ah, precisa nem dizer que o texto está lindo né ? E a maneira de que termina sempre deixando uma vontade de ler mais. Ah, parabéns por escrever tão bem! beijos (:

    ResponderExcluir
  4. Gostei do seu post.
    Sabe, eu quero que daqui há algum tempo, eu possa dizer com sinceridade tudo o que você escreveu.

    ResponderExcluir
  5. Adorei! Suas palavras são tão doces. Parabéns. Voltarei mais vezes! Bejos

    ResponderExcluir
  6. Me deixou em lágrimas :( Amei o texto, lembrei de pessoas que deveria esquecer :(

    ResponderExcluir
  7. Teu texto me deixou sem palavras, mesmo, fiquei sem saber o que comentar, fiquei, caraca, que texto forte.

    ResponderExcluir
  8. Que bom que mudamos por nós mesmos não para agradar ou desagradar alguem ...
    Amei aqui, tudo organizadinho e um posts desse de tirar as palavras de todo mundo ja favoritei para voltar mais vezes...

    http://versosembossa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Acho que seu texto veio pra preencher mais um desses meus pedaços, desses vaos que eu carrego. A gente muda tanto, o outro muda tanto, mas ainda tem aquela brasa por dentro, só que você mesmo disse, a brasa é da esperança de que ainda exista aquele ser antigo que nós já amamos. São coisas irreversíveis, bom seria se o outro estivesse disposto a arriscar e tentar algum amor com os nossos novos eus. Falo por conta própria.
    Adorei o texto, eu me encontrei e encontrei a antiga Luiza aí, sempre indo e vindo. Sabe Marie, seu talento só tende a expandir. Parabéns e continue, beijões.

    ResponderExcluir
  10. Por mais que mudamos,o sentimento que trazemos conosco,ás vezes,não muda.

    Ah me vi em seu texto,tirando a parte de conhecer o novo eu da outra pessoa,rs. Lindo,como sempre,seus textos são muito lindos e muito bem escritos *-*

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Tive que voltar para comentar, teu texto ficou na minha cabeça a noite toda, sabe, eu me vi nestas uas palavras, como se eu tivesse te mandado um e-mail com a minha historia te pedindo para contá-la de um jeito mais bonito. Ficou incrivel, muito bom, mesmo, parabéns.

    ResponderExcluir
  12. Oi Mari tudo bem? Oi meninas ai de cima!
    Mari venho aqui só pra deixar algumas palavras:
    Faz tempo que veio aqui ler seus textos, e hoje vim pra dizer o quão você consegue passar tão bem os seus sentimentos através deles!
    Seus posts são incríveis, te desejo muito sucesso viu!
    Beijos

    Felipe!

    ResponderExcluir
  13. Estava com tanto tempo que eu não vinha aqui que tinha esquecido como você escreve tão bem! Falha minha, talento todo seu :)

    ps.: eu tô com um blog novo sobre banalidades, haha, se quiser passar lá depois: toque-dela.blogspot.com :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Ah, garota. Que bonito o seu texto. Eu sempre apoio as mudanças, sabe? Desde que sejam por vontade própria e para melhor, ou para aliviar, ou só para mudar. Nós somos camaleões. E isso é ótimo.

    :**

    ResponderExcluir

Sua opinião é sempre muito importante!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...